Construindo a química do século 21 (anos 2000)

Unidade de Abatimento de Gases de Efeito EstufaClick to enlarge

A Rhodia entrou no século 21 com a mesma disposição que inspirou sua trajetória desde o princípio: a de estar sempre à frente do seu tempo. Reafirmando seu compromisso com a sustentabilidade, seguiu inovando não apenas em produtos, mas também em projetos pioneiros que criam valor para a sociedade e para o meio ambiente.

 

Um deles foi a construção, em Paulínia, em 2006, da Unidade de Abatimento de Gases de Efeito Estufa, o maior projeto do gênero da América Latina e o quinto maior do mundo. A cada ano, a unidade abate 5,3 milhões de CO2 equivalente, o que corresponde às emissões de uma frota de 1,2 milhão de veículos. A unidade nasceu no contexto do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo do Protocolo de Kyoto, cuja vigência terminou em 2012 e, com ela, os recursos obtidos com a venda de créditos de carbono. Mas a empresa mantém a unidade em operação até hoje, fiel ao compromisso com a sustentabilidade e ciente da importância dessa contribuição voluntária para redução das emissões da indústria brasileira.

 

Já as ações voltadas às comunidades vizinhas ganharam nova força em 2007 com a criação do Instituto Rhodia, que centralizou e fortaleceu a gestão estratégia das iniciativas sociais da companhia. Um de seus importantes projetos, desenhado a partir da identificação das necessidades da comunidade, é o Alquimia Jovem, lançado em 2008, em Paulínia. Programa de educação complementar, o Alquimia vem desde então cumprindo seu propósito de contribuir para o desenvolvimento dos estudantes de escolas públicas da região e estimular o protagonismo juvenil. Já são mais de 1,2 mil jovens beneficiados.

Nos negócios, a Rhodia continuou tecendo inovações e incrementado seu portfólio de fios funcionais. A grande estreia da década foi Emana, um fio inteligente com propriedades terapêuticas, que estimula a microcirculação sanguínea. As roupas com ele confeccionadas contribuem para o bom desempenho esportivo e, nas peças femininas, ajudam a minimizar os sinais de celulite.

 

Outro salto tecnológico veio com Augeo, um inovador solvente obtido a partir de fonte renovável (a glicerina). Ambientalmente mais amigável, com menos odor e menos prejudicial à saúde humana, ele rapidamente conquistou espaço frente aos solventes de origem petroquímica em formulações de limpadores domésticos, aromatizadores de ambiente e outros produtos que fazem parte do nosso dia a dia.

 

Em 2010, encerrando a década, mais uma iniciativa pró-sustentabilidade: a empresa firmou parceria com uma usina de açúcar e álcool de Brotas (SP) para produzir energia renovável a partir do bagaço da cana-de açúcar.